TESTE1211113
Imigração, trabalho e população. São Paulo e a Hospedaria entre fins do século XIX e começo do XX - Museu da Imigração
sexta
05/05/17

Imigração, trabalho e população. São Paulo e a Hospedaria entre fins do século XIX e começo do XX

Donato Donati foi mais um dentre as centenas de milhares de imigrantes italianos que chegaram ao Brasil nos últimos anos do século XIX. Como se sabe, boa parte desses imigrantes tinha como destino o Estado de São Paulo e passavam seus primeiros dias no Brasil na Hospedaria de Imigrantes do Brás. Esse foi o caso de Donato. Chegou na Hospedaria em setembro de 1890 com 23 anos.

Mencionaremos alguns números, para vocês entenderem um pouco melhor como São Paulo (cidade e estado) cresceu na última década do século XIX.

No ano em que nosso personagem Donato pisou em nossas terras, 1890, o munícipio de São Paulo contava com pouco mais de 60 mil habitantes. Dez anos depois, em 1900, a cidade já era casa de quase 240 mil pessoas. Uma taxa de crescimento de 14%, a maior da história de São Paulo. O mesmo vale para o estado que passa de um milhão e trezentos mil em 1890 para dois milhões e trezentos mil em 1900. Uma taxa de crescimento de 5,2%, também a maior da história para o estado paulista.

Seguindo por essa mesma situação o triênio 1895, 1896, 1897 é o de maior movimento da história da Hospedaria de Imigrantes do Brás. Mais de 250 mil pessoas passam por suas dependências nesses anos. Criada com uma capacidade de recepcionar até três mil pessoas, certamente a Hospedaria atuou, nesses tempos, acima da sua capacidade por vários meses. Alguns relatos chegam a dizer em oito mil pessoas em um só dia na Hospedaria.

Toda essa quantidade de gente chegando demandava razoável organização de todas as partes: Estado, Companhias de Navegação, Administração da Hospedaria, ferrovias e dos próprios imigrantes.

Intensifica-se a organização de trabalhadores nacionais e estrangeiros no campo e principalmente nas cidades. A participação e, em muitos casos, o protagonismo dos italianos nos movimentos anarquistas e socialistas dessa época no Brasil são indícios claros dessa organização. Citamos o Donato Donati no começo justamente porque, durante dois anos (1905/1907), ele foi redator-chefe e diretor do jornal socialista italiano Avanti! (um diário com uma tiragem de três mil cópias no Brasil), um dos nomes importantes e influentes para as associações de imigrantes e sindicatos à época.

Jornal Avanti!, 1908

Da mesma maneira a Hospedaria de Imigrantes precisava de funcionários em diversas áreas para conseguir responder à demanda de trabalho crescente. Contratam-se novos intérpretes, enfermeiros e enfermeiras, ajudantes de embarcador, fiéis do armazém, contínuos, escriturários etc. Prover três refeições diárias para oito mil pessoas, organizar suas malas, vaciná-las, auxiliar as que estavam doentes, cuidar da higiene, gerir ao mesmo tempo uma Agência Oficial de Colocação e Trabalho, ou seja, conseguir emprego para essas pessoas, encaminhá-las para os seus destinos junto com suas malas respectivamente e ainda zelar por todas as ocorrências cotidianas que ocorriam em um ambiente com milhares de pessoas, de diversos países, exigia da Hospedaria e seus funcionários uma logística bastante complexa.

O Dia do Trabalho esse ano ocorreu recentemente, segundo consta foi comemorado pela primeira vez no Brasil na última década do século XIX, justamente nessa “efervescência laboral” em que São Paulo começa a nascer como metrópole. Mais um dos legados que a imigração, como um todo, reservou ao Brasil.

Italianos em fábrica de São Paulo

Mulher e crianças japonesas trabalhando em um cafezal

 

Fontes:

 – História Demográfica do Município de São Paulo. Acesso: http://smdu.prefeitura.sp.gov.br/historico_demografico/tabelas/pop_brasil.php

– BIONDI, Luigi. Associativismo e militância política dos italianos em Minas Gerais na Primeira República: um olhar comparativo. Acesso: http://www.ufjf.br/locus/files/2010/02/art-02-associativismo.pdf

– TRENTO, Angelo. Do outro lado do Atlântico: Um século de imigração italiana no Brasil. Nobel, 1989.